quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Dilma deve assegurar participação social como política de governo



A chantagem do PMDB  começou

Com ou sem decreto que institui a Política Nacional de Participação Social, reeleição da presidenta lhe dá respaldo para que amplie espaço da sociedade em decisões de governo

Henrique Eduardo Alves está na lista do PMDB para comandar o Ministério da Previdência. Atualmente, quem ocupa a pasta é Garibaldi Alves, que voltaria a ocupar sua cadeira no Senado, e cotado pelos peemedebistas presidi-lo. O ímpeto peemedebista também foi um gesto político de disputa que passa pelo desejo de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se eleger presidente da Câmara, com apoio da oposição se for preciso, e de ganhar mais espaço dentro do governo... Continue lendo aqui

sábado, 25 de outubro de 2014

Cordão Coração Valente, em apoio à reeleição da presidenta Dilma



 Militantes do PT na praça Roosevelt, em São Paulo, organizam um cordão carnavalesco, o Cordão Coração Valente, em apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). "Eventuais provocações de pessoas com opiniões diferentes não devem ser respondidas", disse o grupo em sua página no Facebook

Militância na rua. É Dilma 13 amanhã



 Manifestantes favoráveis à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) realizam ato em São Bernardo do Campo (SP) neste sábado (25), véspera do segundo turno das eleições. Amanhã, dia 26, domingo, é Dilma 13

Campanha da Dilma entra na reta final



Após conversar com a imprensa hoje pela manhã (24) na capital gaúcha, a candidata do PT Dilma Rousseff seguiu para uma caminhada pelo centro de Porto Alegre em um carro de som, acompanhada do governador Tarso Genro (PT), candidato à reeleição, e de militantes. Depois da passeata pelas ruas da cidade, ela segue para a casa da família na capital gaúcha.

Amanhã (26), dia de votação em todo país, a atual presidente vota em uma escola municipal de Porto Alegre logo pela manhã. Depois segue para Brasília onde acompanha a apuração das urnas.

Dilma: "A meta das metas é a educação"


Em todos os seus discursos e entrevistas, a presidenta Dilma Rousseff tem reforçado que a prioridade máxima de seu próximo governo será a Educação e que vê na democratização das creches a construção de um futuro igualitário para os brasileiros.

Um dos objetivos de Dilma é levar creches e pré-escolas para todas as crianças de zero a cinco anos, em todos estados do Brasil e fazer com que a Educação Infantil obrigatória comece a partir dos quatro anos.

As creches atendem crianças de zero a três anos de idade. “A raiz da desigualdade está na diferença de oportunidades na primeira infância. É nessa faixa etária que as crianças adquirem conhecimentos por meio de estímulos pedagógicos, que desenvolvem a capacidade de aprendizagem ao longo do tempo e melhoram toda a absorção de aparato lógico e também de domínio da língua”, explicou Dilma.

A construção de creches é uma ação federal inovadora, já que é função das prefeituras. Durante o governo Dilma, foram contratadas 6.452 creches e a presidenta ainda assumiu as 1.938 unidades originadas no final do governo Lula, através do Pró-infância, que estavam em estágio inicial de construção.

Atualmente, estão em funcionamento 2.052 novas creches. “Também estão em construção, com obras contratadas, sem nenhum problema, 4.055”, ressaltou Dilma. Outras 2.283 já foram contratadas e estão em fase inicial de construção.

Dilma também criou o Programa Brasil Carinhoso, que amplia o acesso de crianças mais pobres, de famílias beneficiárias do Bolsa Família, às creches. O Bolsa Família, além de aumentar a renda das famílias, diminuiu a evasão escolar, já que vincula a frequência escolar ao recebimento do benefício.

“Essa geração agora é a primeira geração que não passou fome e teve acesso à Educação. Até 2016, temos de universalizar, colocar na escola todas as crianças de 4 e 5 anos. É isso que temos que garantir a todos os brasileirinhos e brasileirinhas”, afirmou a presidenta. A meta é factível, já que atualmente 82,2% das crianças desta faixa etária frequentam a pré-escola.

Além disso, os governos do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma realizaram grandes transformações na Educação dos brasileiros em todos os níveis de ensino, pois triplicaram o orçamento do setor, que saltou de R$ 18 bilhões, em 2002, para R$ 112 bilhões, em 2014.

A presidenta Dilma ainda sancionou o Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê investimento de 10% do PIB em Educação e garantiu que os investimentos no setor continuem no longo prazo, já que implementou a lei que destina 75% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal para a Educação.

Conquistas contínuas

As propostas de Dilma para o próximo governo tiveram como base as ações que implementou ao longo do primeiro mandato. Em abril deste ano, a presidenta sancionou uma lei determinando que a Educação Básica seja obrigatória dos 4 aos 17 anos. Antes disso, a idade mínima era 6 anos. A medida garante que as crianças sejam estimuladas desde cedo, algo que antes era privilégio de poucos que podiam pagar uma escola particular.

Outra proposta é garantir que as crianças sejam alfabetizadas na idade certa, até os oito anos. Também fazem parte das metas do PNE implantar a Educação de Tempo Integral em pelo menos 50% das escolas públicas e oferecer formação contínua aos professores, melhoria salarial, planos de carreira e valorização da meritocracia. No governo Dilma, já oferecem a educação em tempo integral mais de 56 mil escolas, nas quais os alunos têm acesso a atividades artísticas, culturais, esportivas e reforço escolar.

Mas não foram só as crianças que se beneficiaram com as ações do Governo Federal no âmbito da Educação. Nos últimos 12 anos, o Brasil bateu recordes com a criação de 422 escolas técnicas, 18 universidades federais e 174 novos campi universitários.

Mais Educação

O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), criado em 2011, ampliou as oportunidades profissionais de jovens e trabalhadores com a realização de 8 milhões de matrículas. A meta para os próximos quatro anos é realizar mais 12 milhões de matrículas em cursos profissionalizantes.

O acesso ao Ensino Superior deixou de ser um privilégio para poucos durante os governos Lula e Dilma. O Programa Universidade para Todos (Prouni) e o Programa de Financiamento Estudantil (Fies) já beneficiaram mais de 3 milhões de jovens com bolsas e financiamentos.

Além disso, a Lei de Cotas democratizou o ensino superior, ao garantir o acesso da população de baixa renda, negra e indígena às universidades federais. Com essas ações, o número de universitários brasileiros praticamente dobrou nos últimos 12 anos.

Com o Programa Ciência Sem Fronteiras, lançado pela presidenta Dilma, mais de 100 mil bolsas de estudos foram concedidas para que estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação pudessem aprimorar seus conhecimentos em renomadas faculdades de todo o mundo. Este é o maior programa de formação exterior já realizado no País.

“É um jornalismo de esgoto”, diz presidente do PT sobre Veja




“É um jornalismo de esgoto! É uma matéria sem fonte, mentirosa, caluniosa e difamatória”, afirmou Rui Falcão, presidente do Partidos Trabalhadores (PT), nesta sexta-feira (24), sobre reportagem divulgada na última edição da Revista Veja. A Coligação Com a Força do Povo vai acionar judicialmente a publicação no Tribunal de Justiça Eleitoral, Ministério Público Eleitoral, nos tribunais cíveis e na esfera penal.

“Primeiro, para coibir qualquer tipo de propaganda em outdoor, televisão, rádio, propaganda da matéria, porque constitui tentativa de interferência no processo eleitoral. Direito de resposta, inclusive em relação à Veja Online, porque está circulando também; processo crime contra o delator; pedido de indenização contra a Revista Veja. Enfim, são iniciativas para mostrar como nos repugna este tipo de jornalismo que é praticado por este panfleto eleitoral”, declarou Rui Falcão.
Em relação ao debate entre presidenciáveis desta noite, realizado pela TV Globo, o presidente do PT afirma que usar este conteúdo calunioso é uma temeridade, sobretudo porque não há provas.
“O próprio advogado do delator ouvido pelos jornais diz que nunca ouviu falar daquilo. É uma matéria com delegado fantasma; com um depoente cuja suposta declaração é desmentida pela própria advogado. É uma temeridade, num momento em que o Brasil todo espera que os candidatos apresentem propostas, querem enveredar por este caminho. Mas, se vier, nós teremos resposta”, avalia o presidente do partido.
Rui Falcão diz que a matéria não terá efeito nas urnas, pois é uma matéria totalmente falsa. Afirmou ainda que a militância estará unida até o último minuto para apoiar a presidenta Dilma Rousseff.
Apuração das urnas

Segundo Rui Falcão, será feita apuração paralela, com seleção de mais de quatro mil urnas em todo o País para conferir os resultados. “Houve muita denúncia de possibilidade de fraude, que eu não acredito, mas por via das dúvidas, é bom fazer uma apuração paralela”, explicou Falcão.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Para Aécio, limpeza de hotel, praças, febre aftosa e exposições, foram gastos em saúde



Apesar de o Tribunal de Contas de Minas Gerais não facilitar o acesso à informação com clareza, desde 2006 há diversas reportagens sobre o assunto, como fez a Folha de S. Paulo, com o título: "Aécio maquiou gastos da saúde em Minas".Nas contas de 2004, foi lançada no orçamento da secretaria de saúde, erradicação da febre aftosa, que só atinge rebanhos bovinos e é assunto da agricultura. Também entraram na conta da saúde extravagâncias como ... Leia mais aqui

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Ou o juiz libera os nomes dos tucanos que receberam propina da Petrobras, ou não cita ninguém



Leonardo Meirelles, o braço direito do  doleiro Youssef. falou sobre envolvimento de políticos do PSDB em propinas na Petrobras em perguntas de seu advogado Haroldo Nater durante audiência com o juiz Sérgio Moro  Quando o advogado perguntou se outros partidos, além  daqueles que ele já havia citado, foram beneficiados com desvios de dinheiro da estatal pelo grupo de Youssef, Leonardo Meirelles respondeu que acreditava que sim, e que sabia do envolvimento do PSDB, outros políticos e padrinhos políticos....exatamente   quando o advogado pediu mais detalhes sobre quem seria esse político do PSDB, do Paraná e padrinho político,  o juiz interveio.... Leia mais aqui

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Onde Dilma não ganha, a vantagem de Aécio diminui



A inversão nos números do Datafolha, com vantagem numérica da candidata petista Dilma Rousseff, acendeu luz amarela no ninho tucano. A maior preocupação no comando da campanha de Aécio Neves é com o resultado na região Sudeste.

Aécio tem vantagem em relação a Dilma no Sudeste (49% a 40%). Mas a diferença diminuiu em relação à pesquisa anterior, onde o tucano tinha 50% e a petista 35%.

Por isso, haverá uma operação nesta reta final para ampliar a dianteira na região com o maior eleitorado do país. No Rio de Janeiro, os tucanos reconhecem que há uma desvantagem de estrutura, já que Dilma tem os dois palanques do segundo turno no estado: o de Pezão (PMDB) e o de Crivella (PRB).

Em São Paulo, a preocupação é com o agravamento da crise hídrica. O temor é que isso possa influenciar na reta final, diminuindo a expectativa inicial da vantagem prevista no estado.

Em Minas Gerais, também há preocupação. Há o reconhecimento entre os tucanos que Aécio tem condições de virar o jogo no estado. Mas que seria preciso abrir uma vantagem de quase 2 milhões de votos no seu estado, o que, hoje, é um número difícil de ser alcançado.

Outra preocupação entre os tucanos é com a rejeição de Aécio. Ele tem um índice (40%) ligeiramente superior ao de Dilma (39%). Na primeira pesquisa Datafolha, 34% diziam que não votariam em Aécio de jeito nenhum contra 43% de rejeição de Dilma.

A pesquisa mostra que tem causado, sim, danos à imagem do tucano Aécio Neves a estratégia de desconstrução feita pelo PT. Segundo o Datafolha, para 56% dos eleitores, Aécio é quem mais defenderá os ricos, caso se torne presidente. Esse índice é de apenas 17% para Dilma.

Já para 57% dos eleitores, Dilma é a candidata que mais defenderá os pobres. Só 26% dos eleitores enxergam em Aécio um defensor dos pobres.

Outro dado negativo para a campanha tucana: entre os indecisos, 31% admitem que poderiam votar na Dilma e 24% em Aécio.

Há o reconhecimento nas duas campanhas que essa eleição será disputada até o último minuto. Por isso mesmo, o cuidado é para evitar erros nesta reta final do segundo turno e conseguir acertar a estratégia regional.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

MP entra com ação contra Estado de Minas por fraude na Saúde no governo de Aécio Neves



O Ministério Público de Minas Gerais entrou com uma ação nesta sexta-feira contra o governo do estado.na época Aécio Neves (PSDB) alegando descumprimento do investimento obrigatório mínimo de 12% na Saúde, previsto na Constituição. O órgão afirma que foram aplicados apenas 7,48% da receita de 2009 e pede a devolução de R$ 1,3 bilhão ao Fundo Estadual de Saúde. O processo é referente ao orçamento de 2009, quando o estado era governado por Aécio Neves (PSDB). 

Segundo a ação, o Estado de Minas incluiu no cálculo de investimentos em ações e serviços públicos de saúde (ASPS) despesas empenhadas e não liquidadas, além de aplicações feitas em desacordo com a Constituição, sem respeitar "os requisitos de universalidade e gratuidade no acesso aos serviços de saúde". O documento foi assinado pelos promotores Josely Ramos Pontes, Eduardo Nepomuceno, João Medeiros e Franciane Elias Ferreira.

O governo mineiro de Aécio Neves  informou ter aplicado R$ 3,367 bilhões no sistema de saúde, o equivalente a 14,94% do total vinculável. No entanto, o MP afirma que R$ 1,3 bilhão não foram destinados a ASPS. Desse total, R$ 1,01 bilhão é referente a "gastos supostamente realizados pela Copasa", por meio de investimentos em saneamento básico.

O MP alega que foram usados recursos da própria companhia, decorrentes da cobrança de tarifas de água e esgoto, como também provenientes da oferta de ações, contratos com FGTS e BNDES e de convênios diversos. A ação ainda conclui que a "prestação de serviços de saneamento básico e tratamento de água e esgoto é realizada pelo estado mediante a cobrança de tarifa".

Quanto aos outros 308 milhões, os promotores alegam que são aplicações em "linhas externas ao Sistema Estadual de Gestão de Saúde", o que desrespeita a universalidade prevista na Constituição. Esses gastos foram realizados na Polícia Militar de Minas Gerais, Funfip (Fundo Financeiro de Previdência), Ipsemg (Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais) e IPSM (Instituto de Previdência dos Servidores Militares do estado de Minas Gerais).

O montante destinado para a PM mineira foi justificado para Assistência Odontológica e Assistência Médica e Psicológica a Militares e, no caso do IPSM, para Assistência Médico-Hospitalar e Assistência Odontológica aos Segurados Militares e a seus Dependentes. Ambos têm por finalidade a prestação de assistência previdenciária aos seus beneficiários que, por meio de contribuições previdenciárias, garantem o acesso a essa assistência à saúde.

No caso do Ipsemg, os recursos foram financiados pela Contribuição Patronal do Estado aos Institutos da Previdência, ainda segundo a ação do MP. Caso semelhante do gasto relativo ao Funfip, que já havia sido alvo de notificação do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, em 2007. "Flagrante inobservância às decisões prolatadas pelo TCEMG", diz trecho da ação.

Todos esses casos, segundo os promotores, são relativos a ações que, não apresentando os atributos de universalidade e gratuidade, afastam a possibilidade de serem classificadas como aplicações em saúde pública.

A ação também inclui especificamente a Copasa, já que, segundo o texto, auditoria externa feita na companhia durante 2009 "não detectou nos demonstrativos financeiros da empresa os recursos públicos que deveriam ser destinados a ações e serviços de saúde". Ainda conforme o documento, "dentre todas as várias informações sobre relacionamento com o Estado de Minas Gerais, não consta nenhum item relacionado à transferência de R$ 1.017.236.380,50, e nem à utilização desse montante para investimentos em saneamento básico". Aqui no Globo



Globo proíbe Dilma de usar reportagem sobre fome no Facebook


A pedido da Rede Globo, o Facebook determinou ontem a retirada de um vídeo publicado pela campanha da presidente Dilma Rousseff, com uma reportagem do Jornal Nacional.

A emissora reivindicou direitos autorais sobre a reportagem, que só poderia ter sido publicada mediante autorização. O vídeo ainda pode ser acessado no site do PT e em outras redes sociais.

A reportagem fazia parte de uma série especial do Jornal Nacional sobre a fome no Brasil, realizada em 2002 – último ano do governo tucano de Fernando Henrique Cardoso. Na publicação, a campanha petista exaltava a saída do país do mapa da fome, anunciada pela ONU em setembro.-Do Poder Online

Tucanos reconhecem risco para Aécio de denúncia sobre rádios



Parte do PSDB paulista acredita que as denúncias de supostas irregularidades no repasse de verbas para publicidade institucional a rádios mineiras durante a gestão do então governador Aécio Neves (PSDB-MG) têm potencial destrutivo preocupante para a campanha tucana.

O receio é de que a história cresça nos próximos dias, na última semana antes do segundo turno, e atrapalhe o desempenho do presidenciável tucano.

Ontem, o Diretório Nacional do PT entrou com representações oficiais junto ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, para investigar o assunto.

O tema tem sido explorado por Dilma Rousseff nos debates e, como as pesquisas de intenção de votos mostram quadro de empate técnico, tucanos avaliam que qualquer oscilação pode definir a disputa. Nota do Poder Online - Ig

Aécio governador não sabe quanto pagou. Aécio dono de rádio não sabe quanto recebeu





O candidato Aécio Neves (PSDB) tem dificuldades enormes na hora de lidar com perguntas que envolvem negócios públicos com privados  e seus familiares.No caso do aeroporto de Cláudio, construído em terras de uma fazenda de seu tio-avô,   e ao  lado de umas de suas   fazendas ele demorou uma semana para responder que pousou no aeroporto.Agora, o candidato  reage mal diante de perguntas sobre propagandas do governo de Minas em suas rádios....Leia mais

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Maria Rita Kehl: Voto na Dilma


Voto em Dilma porque me envergonha a desigualdade social. Como pudemos viver em um país rico onde parte da população passava fome?

A presidenta Dilma Rousseff criou a Comissão Nacional da Verdade (CNV). Em maio de 2012, a primeira presidenta do Brasil, ex-presa política torturada, conseguiu aprovar no Congresso a criação da CNV. Entre os países latino-americanos que sofreram ditaduras, fomos o último a criar uma comissão da verdade.

Antes tarde do que nunca. Ainda que os militares remanescentes do estado de exceção não cooperem com nossas investigações. Ainda que adeptos da linha-dura, hoje na reserva, recusem "colaborar com o inimigo" (todos nós) --e não revelem o paradeiro dos cerca de 150 desaparecidos políticos (sem contar indígenas e camponeses).

Ainda assim, o trabalho da CNV representa um avanço efetivo na consolidação da nossa democracia.
Avanço que exige, ainda, a erradicação da continuada prática de violência de agentes do Estado contra cidadãos detidos. A presidenta criou o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, que começará a atuar para coibir os maus tratos a pessoas detidas em presídios, delegacias e hospitais psiquiátricos.
Nosso atraso em termos de direitos humanos, além de envergonhar o país, multiplica a insegurança na sociedade inteira. Já se comprovou que a violência da criminalidade no Brasil é diretamente proporcional à violência das PMs e de outros agentes de segurança contra os cidadãos.

Voto em Dilma Rousseff porque tenho vergonha de nossa desigualdade social. Nunca compreendi como se podia viver com tranquilidade em um país rico onde parte da população passava fome. Problema que, aliás, foi reconhecido como extinto em função dos programas sociais dos governos Lula e Dilma. Iniciados por FHC, sim, mas por que, então, eleitores do PSDB ainda desqualificam o programa Bolsa Família como "Bolsa Esmola"?

Não faltam notícias sobre municípios onde a entrada dessa renda mínima impulsionou a economia local nem sobre cidadãos que cancelaram sua inscrição para recebimento da bolsa tão logo conseguiram ganhar o suficiente para seu sustento.

Depois das gestões Lula e Dilma, a vulnerabilidade dos mais pobres diminuiu em função da expansão de seus direitos. Voto pela continuação do Bolsa Família, do programa Luz para Todos, do Minha Casa, Minha Vida, maior programa de habitação popular já criado no Brasil. Voto também por uma política econômica que, em tempos de crise do capitalismo internacional, preservou o valor dos salários e o pleno emprego.

Os governos de Lula e de Dilma impulsionaram o acesso dos jovens às universidades no país e no exterior. Proporcionaram atendimento médico gratuito em cidades afastadas dos grandes centros.
Suponho que a maioria da classe médica tenha se envergonhado das vaias contra os cubanos contratados com transparência pelo Ministério da Saúde. Afinal, os brasileiros sempre acharam chique a importação de tecnologia. Ninguém vaiou a participação da Alstom, hoje suspeita de corrupção, nas obras de ampliação do Metrô de São Paulo.

Por fim, voto em Dilma pela continuação do combate à corrupção em todos os níveis, inclusive os que atingem setores de seu governo. Desde o governo Lula, a Polícia Federal investiga com transparência crimes de colarinho branco, sem poupar autoridades, empresários e ministros. Melhor o risco de penas injustas, como no caso de alguns mensaleiros, do que a impunidade.

Do outro lado: onde foram parar as investigações de corrupção no Metrô paulista, no mensalão mineiro, as denúncias sobre o aeroporto em Cláudio (MG) e o helicóptero dos Perrella que transportava cocaína?

Por que os paulistas não foram informados, até a reeleição do governador Alckmin, da calamidade pública na gestão da água que, desde 2012, era mantida em segredo entre governo e acionistas da Sabesp?

Sei que a erradicação da corrupção depende da independência dos meios de comunicação. Voto na candidata que não tem a grande mídia a seu favor.

MARIA RITA KEHL, 62, psicanalista, é integrante da Comissão Nacional da Verdade. É autora de "O Tempo e o Cão - A Atualidade das Depressões" (Boitempo) e de "Ressentimento" (Casa do Psicólogo)