quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Isso é São Paulo



Casa na rua Ibijau, no bairro de Moema, em São Paulo


Populares retiram mulher de dentro de carro ilhado na marginal Pinheiros



Motoristas aguardam escoamento da água de ponto de alagamento na marginal Tietê, no acesso à rodovia dos Bandeirantes, em São Paulo



Motoristas aguardam escoamento da água de ponto de alagamento na marginal Tietê, no acesso à rodovia dos Bandeirantes, em São Paulo


Carros ficaram submersos na rua Barão de Jaguara, no bairro da Mooca, em São Paulo; cidade sofre com alagamentos e enchentes  na madrugada de hoje (21)

2 comentários:

  1. Tempestade deixa São Paulo debaixo d’água e provoca caos - Nenhuma referência à INCAPACIDADE GERENCIAL do KASSAB e do SERRA. Até o título da reportagem, tenta retirar a responsabilidade do Prefeito e do Governador do caos vivido por São Paulo. É bom não esquecermos que São Paulo está sendo governado pelo PSDB desde 01.01.1995, ou seja, os PMDBistas estão governando São Paulo há 15 anos!!!!!!!
    http://g1.globo.com/bomdiabrasil/0,,MUL1456776-16020,00-TEMPESTADE+DEIXA+SAO+PAULO+DEBAIXO+DAGUA+E+PROVOCA+CAOS.html
    Angélica Matos

    ResponderExcluir
  2. "SE CONTINUAR ASSIM A CIDADE VAI SUBMERGIR" ...

    Falta de limpeza do Tietê compromete obra bilionária. O DAEE não tem informações para passar para a Imprensa

    21 de janeiro de 2010

    por Conceição Lemes - Blog Viomundo

    (Trechos...)

    Experimente pesquisar as matérias sobre as enchentes de 8 de dezembro em São Paulo. Invariavelmente aparece este trecho do comunicado da Secretaria Estadual de Saneamento e Energia (SSE) e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee):

    O Daee executa periodicamente o desassoreamento e a limpeza dos rios Tietê, Cabuçu de Cima, Tamanduateí e dos piscinões do ABC e Pirajuçara e que só neste ano já foram retirados 380 mil metros cúbicos de sedimentos.

    Reportagem de O Estado de S. Paulo afirma:

    Anualmente, o Estado gasta cerca de R$ 27,2 milhões para retirar 400 mil m³ de sedimentos somente do Tietê, num trecho de 40 km. São quatro contratos que determinam retirada de 32 mil m³ por mês, para evitar enchentes.

    A secretária de Energia e Saneamento de São Paulo, Dilma Pena, é uma das entrevistadas. Assim como na reportagem do Agora, de 11 de dezembro :

    Em 2009, segundo Dilma [Pena] foram retirados 380 mil m³ de detritos. Segundo especialistas em drenagem urbana, o ideal seria retirar 1 milhão de m³ .

    Conclusão 1: Atualmente, estima-se, o Tietê tem ao redor 4,2 milhões de metros de sedimentos depositados no seu leito na capital. É como se quase metade dos 9 milhões de metros cúbicos retirados durante a obra da calha tivesse sido jogada, de novo, dentro do rio.

    Conclusão 2: Os 4,2 milhões de metros cúbicos dão uma altura de sedimentos de 4,2 metros. Supera de longe, portanto, os 2,5 metros de aprofundamento da calha.

    Conclusão 3: O nível do Tietê voltou ao que era antes das obras da calha; R$ 1,7 bilhão praticamente jogado no lixo.

    “Mantido o ritmo de entrar mais sedimentos do que sai, o Tietê vai ‘acabar’ na capital e a cidade submergir”, alerta o professor Júlio Cerqueira César. “É um descalabro.”

    “O governo estadual não ter feito nada em quase três anos é muito sério. Toda a capacidade de vazão ganha com a ampliação da calha é perdida”, adverte o geólogo e consultor de geotecnia e meio ambiente Álvaro Rodrigues dos Santos, que já foi responsável pela Divisão de Geologia e diretor de Gestão e Planejamento do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas, de São Paulo). “O Tietê transbordou em setembro e dezembro por estar totalmente assoreado. A vazão máxima dele nessas ocasiões foi de cerca de 700 metros cúbicos/segundo. Se estivesse limpo, seria próxima de 1,100 metros cúbicos /segundo e não teria transbordado.”

    “Na verdade, eles [governo estadual] valem-se do desconhecimento técnico da população e da imprensa”, põe o dedo na ferida o geólogo Álvaro dos Santos, e vai fundo. “Com o não desassoreamento, eles sabiam perfeitamente que São Paulo corria o iminente risco de enfrentar tragédias como as de 8 de setembro e 8 de dezembro. Infelizmente em janeiro, fevereiro e março, meses naturalmente mais chuvosos, estaremos, de novo, na alça de mira das inundações. Ameaçou chover? Fuja das marginais. E se você mora em áreas sujeitas a inundações, chame imediatamente os bombeiros!”

    O professor Júlio Cerqueira César Neto assina embaixo.

    ResponderExcluir

Nota do moderador: Comentários preconceituosos, racistas e homofóbicos, assim como manifestações de intolerância religiosa, xingamentos, ofensas entre leitores, contra o blogueiro e a publicação não serão reproduzidos. Não é permitido postar vídeos e links. Os textos devem ter relação com o tema do post. Não serão publicados textos escritos inteiramente em letras maiúsculas. Os comentários reproduzidos não refletem a linha editorial do blog